Chacaltaya e o Valle de la Luna!

Compartilhe!

La Paz, a capital mais alta do mundo, está recheada de programas, literalmente, nas alturas! Um deles é a incrível visita ao Monte Chacaltaya e ao Valle de la Luna. Em idioma Aymara, Chacaltaya significa algo como caminho frio – e é isso que você vai encontrar.

Com o ponto mais alto a 5.435 metros, a única certeza é a de que você vai sentir bastante frio! E não estranhe – é no verão quando tem mais neve no Chacaltaya. Ah, uma curiosidade – ela já foi a estação de esqui mais alta do mundo, mas hoje está desativada porque a neve começou a derreter devido ao aquecimento global…

Não é necessário nem guia e nem transporte privado para ir ao Valle de la Luna, já que ele está na parte baixa de La Paz. Mas como vendem um programa casado com o Chacaltaya, é bem conveniente fazer logo tudo junto, porque já resolve em uma tacada só. Vou contar como funciona esse passeio, lembrando que o melhor do dia é mesmo chegar ao topo dos 5.435 metros do Chacaltaya.

O topo do Chacaltaya, a 5.435 metros de altura!

O topo do Chacaltaya, a 5.435 metros de altura!

A chegada à base do Chacaltaya

Base é bondade, porque o ônibus já chega a uma altura pra lá de considerável, mas foi a palavra que achei pra definir o começo do passeio. A aventura começa ao sair de La Paz. De 3.600 metros de altitude, o ônibus vai até 4.600 metros, em um caminho bastante íngreme.

Uma vez no altiplano da Cordillera Real, o ônibus faz uma parada para fotos. Do local, diversos pontos turísticos importantes ao redor de La Paz, com a cidade algumas centenas de metros abaixo. Dali dá pra ver a imponência do Illimani, a montanha cartão postal de La Paz, a Huayna Potosí e, acredite, o Lago Titicaca! Sim, está distante, mas lá do alto é possível vê-lo!

Depois dessa pausa para fotos (e para banheiro natural), o ônibus segue por uma rota pra lá de sinuosa – e completamente estreita. Parece que vai virar a qualquer momento, mas foque na vista da montanha e esqueça o penhasco.

À distância, próximo ao Chacaltaya, é possível ver toda a imponência do Illimani.

À distância, próximo ao Chacaltaya, é possível ver toda a imponência do Illimani.

Ao cume do Chacaltaya!

A guia deu 1 hora pra subir até ao topo e voltar. Percebi que muitos não conseguiram vencer nem a primeira etapa… a altitude e o frio derrubam muita gente, até os mais atletas sofrem pra subir. Se subir uma montanha já não é a coisa mais fácil do mundo, subir montanha a 4.600 metros e com neve é ainda mais complicado. Dor de cabeça, falta de ar e até tontura são alguns dos sintomas do mal de altitude. Mascar folhas de coca e tomar o chá ajudam a aguentar a pancada (e não dá barato nenhum!).

Pois bem, subindo, com uma boa pausa, é possível vencer o Chacaltaya. A primeira subida já compensa, e oferece uma vista privilegiada da Huayna Potosí e do cume do Chacaltaya. Mas tem mais!

O caminho até o topo compensa. Prepare-se para um bom exercício de resistência – você vai precisar mais de resistência mental do que de resistência física, mas ter os dois ajuda bastante a enfrentar o frio, o vento e a altitude.

O caminho com neve até o cume do Chacaltaya! Falta de ar, dor de cabeça e sensação de exaustão - tudo recompensado ao final! (Foto: João Paulo Resende.)

O caminho com neve até o cume do Chacaltaya! Falta de ar, dor de cabeça e sensação de exaustão – tudo recompensado ao final! (Foto: João Paulo Resende.)

Lá do alto da montanha!

Do alto do Chacaltaya, além do visual espetacular, a sensação de ter vencido uma maratona reconforta o corpo! E uma vez sem esforço para subir, o corpo agradece e os sintomas da altitude começam a arrefecer! Aproveite a vista, o sentimento de ter chegado até ali e o vento no rosto. É emocionante chegar ao topo!

Pra baixo, todo santo ajuda! Na descida, tudo favorece. A dor de cabeça diminui, a respiração melhora e o corpo inteiro agradece. Ruim mesmo é só ter que aguentar o ônibus chacoalhando até a próxima etapa, o Valle de la Luna!

Falta de ar, dor de cabeça e os males da altitude. Subir a 5.435 metros é um esforço que compensa!

Falta de ar, dor de cabeça e os males da altitude. Subir a 5.435 metros é um esforço que compensa!

A descida é bem mais fácil - o corpo já se acostumou e agradece o retorno a uma altitude menor!

A descida é bem mais fácil – o corpo já se acostumou e agradece o retorno a uma altitude menor!

O Valle de la Luna de La Paz!

Depois de descer o caminho do Chacaltaya, o ônibus precisa cruzar La Paz pra chegar a parte sul da cidade, onde está o Vale da Lua. Dá tempo de dormir, acordar e dormir de novo, mas quebra um galho pra quem quiser conhecer esse segundo atrativo. A maioria dos tours oferece a possibilidade de deixar sair no centro de La Paz antes da visita ao Valle de la Luna.

Então, reza a lenda que foi Neil Armstrong quem deu o nome às estranhas formações rochosas do sul de La Paz. Isso lá pelas idas de 1969. Se é verdade ou não, o fato é que ele guarda certa semelhança com o que dizem ser o solo lunar.

O Vale da Lua parece uma formação de estalagmite, mas teve um processo diferente, com o vento cortando a rocha da montanha.

Valle de la Luna de La Paz - Formações rochosas que lembram o solo lunar.

Valle de la Luna de La Paz – Formações rochosas que lembram o solo lunar.

Vale a pena visitar o Valle de la Luna?

É bacana, mas depois do Chacaltaya, ficou meio tedioso. O grupo inteiro estava muito cansado e como era em um buraco a 3.000 metros de altitude, fazia um calor insuportável – tudo isso depois de neve e frio no alto dos Andes… Lá dentro existem dois circuitos, um de 15 minutos e outro de 45. Percorri o de 45 em menos de 25 minutos e fui para o lado de fora procurar uma sombra para descansar. Ao fim e ao cabo, as paisagens são todas muito parecidas!

O Valle de la Luna está dentro de La Paz e dá pra chegar lá com ônibus circular, táxi, carro próprio, enfim, como quiser. Mas como já vendem esse passeio casado com o Chacaltaya, é uma pedida pra aproveitar e conhecer tudo em uma tacada só!

A única forma de via no Valle de la Luna são cactus. Difícil encontrar outro ser vivo por ali!

A única forma de via no Valle de la Luna são cactus. Difícil encontrar outro ser vivo por ali!

Chacaltaya combinado com o Valle de la Luna

A melhor forma de ir é contratar um passeio em uma agência – não se preocupe, a concorrência é grande e os preços em La Paz não são altos. Eu paguei 80 bolivianos e mais 30 pelos ingressos, um total de 110 bolivianos, o que, no câmbio de dezembro de 2015 era algo em torno de R$ 67,50 pelo passeio de um dia inteiro que incluía transporte, guia e visita ao Monte Chacaltaya e ao Valle de la Luna. Vi que os preços giram em torno de 110 (mais baixo) e 150 (mais alto) bolivianos por pessoa, já com os ingressos incluídos. É bem barato!

Este post cobre bem o que é o tour ao Chacaltaya combinado com o Valle de la Luna. Não vá esperando muito do Vale da Lua, até porque você vai estar pra lá de cansado, pode apostar! Mas para os mais curiosos, uma visita ali não faz mal! Do momento que o ônibus passa pelo centro de La Paz até voltar, demora cerca de 1h30. Então, se você não gostar, você terá gastado 15 bolivianos (USD 2,16), 1h30 da sua vida e nada mais!

Reserve aqui o seu hotel em La Paz.

Para ler mais sobre a Bolívia, clique aqui.

E quanto a você, leitor viajante, não deixe de compartilhar suas dicas e histórias de viagens pelo mundo! Escreva para o Bilhete Premiado e deixe a sua marca!

O buraco onde está La Paz. Do alto do Chacaltaya, a capital mais alta do mundo nem parece assim tão alta...

O buraco onde está La Paz. Do alto do Chacaltaya, a capital mais alta do mundo nem parece assim tão alta…

A gigante cidade de La Paz fica pequenininha do alto do Chacaltaya.

A gigante cidade de La Paz fica pequenininha do alto do Chacaltaya.

Um esforço recompensado e uma pausa para descansar e curtir o visual!

Um esforço recompensado e uma pausa para descansar e curtir o visual!

O Vale da Lua fecha o intenso dia de passeios por La Paz.

O Vale da Lua fecha o intenso dia de passeios por La Paz.

Show Buttons
Hide Buttons
%d bloggers like this: