Curvando-se à beleza da Patagônia

Compartilhe!

As paisagens incríveis parecem falar, mas só um viajante aberto ao diferente consegue entender! O contato com a natureza lembra a todo momento que somos humanos e nada melhor do que uma viagem para reacender esse sentimento.

De volta ao Bilhete Premiado, o casal Dênis e Samira Soares, que rodaram o Uruguai em uma viagem inesquecível, deixa agora relatos de uma viagem pelos pontos mais austrais do nosso planeta. Um giro pela Patagônia e pela Terra do Fogo da Argentina e do Chile, passando pelo fim do mundo de Ushuaia. Vamos acompanhá-los nessa aventura!

_________________________________________________________

Ushuaia

Começamos a desbravar o fim do mundo (ou o começo?) com um voo de Buenos Aires para Ushuaia.

Tivemos uma grande surpresa! Um frio e neve bem incomum para o período do verão, mas não deixamos de aproveitar! Unimos o útil ao agradável e conhecemos parte do Parque Nacional por trem (o trem do fim do mundo que era utilizado pelos prisioneiros!). Apesar do frio e da chuva, a paisagem das montanhas nevadas e da cidade é deslumbrante.

A deslumbrante vista de Ushuaia. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

A deslumbrante vista de Ushuaia. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Os bilhetes e a estação do trem do fim do mundo. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Os bilhetes e a estação do trem do fim do mundo. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Não conseguimos chegar até o Glaciar Martial porque as trilhas estavam cobertas de gelo e perigosas, mas chegamos perto e conseguimos uma bela vista passeando de aerosillas.

O grande momento foi sem dúvida o passeio pelo Canal de Beagle e conhecer a pinguinera. De longe, vimos os pinguins, não saímos do barco, mas foi interessante navegar por aquelas águas do fim do mundo entre Chile e Argentina.

A vista impressiona mesmo longe da costa. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

A vista impressiona mesmo longe da costa. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

O dia era muito longo e conseguimos fazer tantas coisas em tão somente 2 dias e meio! Mas recomendamos ficar pelo menos mais um dia

Foi muito bom comprar uma máquina fotográfica boa, porque cada paisagem, as fotos que tiramos…afff… são de tirar o fôlego! Parece que Deus demorou mais tempo por ali, pintando e desenhando.

O pôr do sol tardio no Canal de Beagle de Ushuaia - momento inesquecível.(Foto: Dênis e Samira Soares.)

O pôr do sol tardio no Canal de Beagle de Ushuaia – momento inesquecível.(Foto: Dênis e Samira Soares.)

El Calafate

Seguimos viagem para El Calafate, ainda na Patagônia argentina. O voo é direto e tranquilo, foi a primeira vez que um voo adiantou! Rsrsrs. Estamos acostumados ao contrário, não é mesmo?

A cidade é uma graça. Assim como Ushuaia, é simplesmente uma delícia caminhar em suas ruas… Parece que o tempo tem outro ritmo… Fizemos dois passeios muito diferentes: conhecemos o bosque petrificado e passeamos no Glaciar Perito Moreno, com direito a uma caminhada no gelo!

A paisagem do Bosque Petrificado é típica da patagônia argentina, conhecer as espécies de plantas deste bioma, os guanacos e ainda se conectar com a era dos dinossauros ao ver ossos e árvores… quem fica petrificado somos nós!

O passeio ainda conta com uma parada no hotel onde Butch Cassidy e seu grupo ficaram um tempo: La Leona.

Guanaco no Bosque Petrificado de El Calafate. Um passeio pela história. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Guanaco no Bosque Petrificado de El Calafate. Um passeio pela história. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Já o passeio a Perito Moreno foi bem diferente. Chovia, mas ouvi um pedaço do gelo se desprendendo. O barulho e a imagem ainda estão nos meus ouvidos e olhos… A natureza é realmente magnífica!

Depois, navegamos pelo lago até chegar ao local da caminhada no gelo, uma imensidão de um branco azulado lindo. A novidade de andar com sapatos especiais, um local tão diferente, tão imenso, que nos lembra como nós humanos somos pequenos, instiga nossa humildade.

A chegada ao Glaciar Perito Moreno - um pedaço de gelo eterno. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

A chegada ao Glaciar Perito Moreno – um pedaço de gelo eterno. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Para nos despedirmos de El Calafate fomos ao museu Glaciarium e ao bar de gelo. Confesso: Apesar de ser uma experiência única, é difícil conseguir ficar todo o tempo permitido, é realmente muito frio! Como os ponteiros do relógio demoravam para se mexer!!!

Bem, de Patagônia argentina já está bom, agora, rumo à Patagônia Chilena! E de ônibus! De El Calafate para Puerto Natales!!!

O bar de gelo do Glaciares - realmente muito frio. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

O bar de gelo do Glaciares – realmente muito frio. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Puerto Natales e Parque Nacional Torres del Paine

A fronteira do Chile demora mesmo, eles são muito cuidadosos! Prepare-se para ficar por volta de uma hora na alfândega, mas vale a pena.

Chegamos a Puerto Natales quase 23h, foi difícil encontrar um táxi na rodoviária – deserta! A nossa sorte que havia um taxista que foi buscar uma pessoa que estava em outro ônibus atrasado.

Torres del Paine é um paraíso! UAU!!! Descobri de onde tiraram a cor verde-água! O passeio de um dia inteiro começa pela Cueva del Milodón e fazer o parque de van foi ótimo!

O Parque Nacional Torres del Paine, em Puerto Natales. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

O Parque Nacional Torres del Paine, em Puerto Natales. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

O jantar foi de comida típica da Patagônia: entrada centolla, prato principal cordeiro al palo. O restaurante Don Jorge em Puerto Natales é muito bom!

Como encontramos pessoas amáveis no nosso caminho! Dênis provou um pisco calafate y um pisco de verdade, a Senhora Sara, que estava no bar de nosso hotel (Hotel Natalino), fez questão de nos ensinar como fazer um pisco sour.

Como queríamos ficar! Mas tínhamos que continuar… então pé na estrada! Pegamos um ônibus para Punta Arenas.

Ao fundo, detalhes dos Cuenos, dentro do Parque Nacional Torres del Paine. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Ao fundo, detalhes dos Cuenos, dentro do Parque Nacional Torres del Paine. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

A entrada da Cueva del Milodón, no Parque Nacional Torres del Paine. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

A entrada da Cueva del Milodón, no Parque Nacional Torres del Paine. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Punta Arenas

Depois de cerca de 3h chegamos à nossa pousada. Saímos a caminhar pela cidade, jantamos gostoso e compramos nossos passeios. Conhecemos a Pinguinera de Seno Otwa (vamos por terra) e depois a da Ilha Madalena, navegando pelo estreito de Magalhães.

Dênis no alto do Cerro de La Cruz, em Punta Arenas. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Dênis no alto do Cerro de La Cruz, em Punta Arenas. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

A primeira é interessante para ver os ninhos, mas como fomos no final de fevereiro, já não tinha muitos pinguins. A da ilha Madalena foi a melhor pinguinera, não só porque tinha mais pinguins, mas como podíamos andar pelas trilhas e alguns deles (dos pinguins) desobedeciam a regra de não entrar em contato conosco… rsrsrs. Ainda em Punta Arenas, conhecemos o Museu da Família Braun, que conta a história de Punta Arenas!

A Pinguinera da Ilha Madalena - a melhor da viagem. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

A Pinguinera da Ilha Madalena – a melhor da viagem. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

No último dia em Punta Arenas, conhecemos o cemitério, o mercado municipal e também a zona franca (não conseguimos comprar muita coisa, os preços não estavam assim tão bons!). Agora um vôo de volta para um pit stop na cidade de Santiago e o retorno ao Brasil.

Em resumo

Enfim, terminamos esta viagem com as mais belas imagens que conhecemos (pelo menos até agora), com cores e paisagens que pareciam pintadas à mão, com uma grande sensação de que o nosso mundo é realmente belo e que devemos nos curvar à esta beleza!

Algumas pessoas pensaram que estávamos exagerando, ao falar que foi a viagem de nossas vidas. Pena que nem as fotos, muito menos as palavras, podem descrever o que passamos… Sentimos conectados à essa maravilha que é nosso planeta!

Detalhes da Pinguinera. O amor está em toda a natureza. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

Detalhes da Pinguinera. O amor está em toda a natureza. (Foto: Dênis e Samira Soares.)

_________________________________________________________

Dênis é engenheiro cartógrafo e Samira trabalha com mediação de conflitos. Ele entende de mapas, ela é apaixonada por trens. E para eles não há tempo ruim quando o assunto é viajar – o importante é ir e, melhor ainda, seguirem juntos, seja o destino qual for! (o próximo é Paris!).

Se estiver planejando sua viagem pela Terra do Fogo e pela Patagônia, utilize os links abaixo para reservar os hoteis nas principais cidades do Chile e da Argentina.

  1. Ushuaia
  2. El Calafate
  3. Puerto Natales
  4. Punta Arenas

E quanto a você, leitor viajante, não deixe de compartilhar suas dicas e histórias de viagens pelo mundo! Escreva para o Bilhete Premiado e deixe a sua marca!

Ao final o Canal de Beagle leva direto ao Oceano Pacífico - a fronteira entre o Chile e a Argentina.

Ao final o Canal de Beagle leva direto ao Oceano Pacífico – a fronteira entre o Chile e a Argentina.

 

Show Buttons
Hide Buttons
%d bloggers like this: