Mini guia de Berlim – Restaurantes, compras, atrações e transporte!

Compartilhe!

Restaurantes, compras, atrações e dicas de transporte público transformados em um Mini Guia de Berlim! O básico e o indispensável para você programar sua viagem à capital alemã sem perder o essencial.

Quem dá as dicas é a jornalista Lais, que simplesmente ama Berlim e teve a oportunidade de passar pela cidade e curtir um pouco da vida como local.


Transporte em Berlim

Berlim é uma cidade bem servida de transporte público, que é bem amplo e super vazio, sendo possível sentar nos bancos na maior parte do tempo. Usei muito o ônibus, porque na última visita à cidade, fui com meus pais e, na época, minha mãe tinha muita dificuldade de subir e descer escadas. Muitas estações de metrô (U), subterrâneos, e trens urbanos (S), normalmente em superfície, não possuem escada rolante. Outra vantagem dos ônibus é o fato de poder ver a paisagem durante o percurso. Todos os meios de transporte são eficientes, costumam ser pontuais. Nos pontos de ônibus e nas estações de trem e metrô tem um painel no qual é possível ver o horário que o próximo transporte vai chegar. Fica fácil organizar os horários.

O trem metropolitano S é um pouco mais complicado de se utilizar, porque em algumas estações passam trens que vão para outras cidades e, diferentemente do metrô, há diversas plataformas, nas quais passam trens com múltiplos destinos. Para não errar, é preciso verificar no painel eletrônico o horário, a plataforma e o destino do trem que se aproxima.

Sem catraca!

Em Berlim não existe catraca para validar o bilhete e ter acesso às plataformas. O acesso é livre. Mas é preciso carregar o bilhete consigo, porque de vez em quando entram controladores nos trens verificando se você tem bilhete. Se não tiver, é multa na hora. E nem adianta dizer que está sem grana porque eles têm maquininha de cartão de crédito! Em Paris, um tempo atrás, a multa era de 40 euros. Não compensa… Acredito que o valor em Berlim deva ser semelhante.

Nos finais de semana os metrôs (U) e os trens (S) funcionam 24 horas, com intervalos maiores (aproximadamente 15, 20 minutos).

A Estação do S-Bahn da Alexander Platz. (Foto: Lais Nitta.)

A Estação do S-Bahn da Alexander Platz. (Foto: Lais Nitta.)

Berlin Welcome Card

Para turistas, existem diversas modalidades de título de transporte. Na minha última viagem, fiquei por 5 dias na cidade (e 1 dia só pra ir ao aeroporto). Utilizei o Berlin Welcome Card, que disponibiliza bilhetes com acesso a todos os meios de transporte por 2, 3, 4 ou 5 dias.

Comprei o de 5 dias pras áreas AB (zona central de Berlim), com custo de € 34,50. O cartão também dá desconto de até 30% em alguns passeios, como a Torre de TV e o passeio de barco no Rio Spree. Se passar por Potsdam, uma cidadezinha vizinha de Berlin, pode valer a pena comprar o passe ABC.

Existem outros discount cards, cada um com desconto para certos tipos de atrações. Alguns exclusivos de visitas a museus… Se quiser conferir…

Validação do Berlin Welcome Card

Na primeira utilização do Berlin Welcome Card, é preciso validar o bilhete em uma maquininha amarela, que carimba a data de início. Em todas as estações há essa maquininha, normalmente ao lado dos dispositivos que vendem bilhetes. A partir de então, o bilhete valerá para os dias seguintes (dependendo da modalidade comprada: 2, 3 dias, etc). O transporte público berlinense possui um site no qual se pode checar o itinerário do seu percurso. Pode-se preencher o local de partida e o local de chegada. O site calcula o tempo que a viagem leva e as diversas possibilidades de transporte (trem, metrô, ônibus ou tramway) para chegar ao destino desejado.

Inclusive, nesse site é possível fazer o download do mapa da cidade, que mostra as linhas dos transportes. Os mapas impressos estão disponíveis nos guichês de venda de tickets, mas ao comprar o Berlin Welcome Card, o turista recebe um kit com um mapa e um livrinho de atrações com descontos. Atualmente, existe uma extensa gama de aplicativos de celular que contêm mapas e mecanismos de itinerário.

O Berlim Welcome Card pode ser comprado no aeroporto. Foi o que fiz: e já o usei no ônibus para chegar ao meu hotel. O percurso era de uns 15 ou 20 minutos, e é uma economia considerável se comparado ao táxi. As capitais europeias são bem preparadas para turistas e os ônibus possuem espaço para malas.

Muito amor em Berlim! (Foto: Lais Nitta.)

Atrações

O Básico de Berlim!

A grande maioria das atrações é gratuita. Uma das mais interessantes é o Parlamento Europeu (Bundestag). As visitas são guiadas e é preciso agendá-la pela internet previamente, sendo possível escolher o idioma. Entre as opções, está até o português, mas depende da disponibilidade. Por isso, é preciso agendar pelo site, selecionar o idioma preferido, escolher a data conveniente e esperar uma confirmação por e-mail, que chega após dois dias, aproximadamente. Agendamento completo, no dia da visita recomenda-se chegar 30 minutos antes, munido de passaporte e confirmação impressa.

Nos arredores do Parlamento está um ícone berlinense: o Portão de Bradenburgo e, logo ao lado, o Memorial em homenagem aos judeus. No memorial, há um museu subterrâneo, também gratuito, onde é possível ver fotos e ouvir depoimentos de famílias que foram separadas de seus entes queridos. Excelente para aprimorar os conhecimentos em história.

Outros pontos marcantes da cidade são o Checkpoint Charlie, a fronteira do território americano, e a Topographie des Terror, um museu a céu aberto com informações sobre a época nazista e pedaços do antigo Muro de Berlim. Nos arredores do Checkpoint Charlie está o Museu do Muro. Outro museu interessante é o DDR Museum, que reúne objetos da época da Alemanha Oriental, relatando o estilo de vida socialista. Dá para tocar e mexer em tudo, o que torna um passeio bacana para quem viaja com crianças.

O Portão de Brandemburgo e a Quadriga em cima. (Foto: Lais Nitta.)

O Portão de Brandemburgo e a Quadriga em cima. (Foto: Lais Nitta.)

Sammlung Boros

Quem gosta de fugir do cenário básico turista, vai curtir a galeria de arte moderna Sammlung Boros. As visitas só são liberadas com hora marcada e com guia, que estão disponíveis em inglês ou alemão. A reserva pode ser feita pelo site da galeria.
Essa galeria privada é localizada num bunker, que não pode ser implodido porque senão o bairro inteiro vem abaixo. Antes de ser comprada por um milionário europeu que habita sua cobertura, a Sammlung Boros já foi um clube noturno e um restaurante…

Outra opção para quem quer viver a experiência da Segunda Guerra Mundial são os passeios a campos de concentração.

A Sammlung Boros, um museu de arte pra lá de moderna dentro de um bunker da II Guerra. (Foto: Lais Nitta.)

A Sammlung Boros, um museu de arte pra lá de moderna dentro de um bunker da II Guerra. (Foto: Lais Nitta.)

Hackescher Markt

Para quem não dispensa uma comprinha barata, o Hackescher Markt é uma ótima pedida. Fui numa quinta-feira e pude conferir barraquinhas de comida (preços bons, hot dogs de salsicha alemã por € 2,00), com tortas, pães, geleias e etc e muitos artigos artesanais. Comprei luvas de couro super baratas, cachecóis de lã… Não tenho certeza quanto aos dias em que a feirinha ocorre, mas não são todos os dias. O melhor a fazer é verificar os dias no seu hotel/hostel.

Compras

Kurfürstendamm e a KaDeWe

A rua das grifes é Kurfürstendamm (ou Kudamm). É a 5th AvenueChamps ElyséeOscar Freire de Berlim. Nessa rua se encontram diversas lojas como H&M, Forever 21, The Body Shop. Lá está a gigante loja de departamento chamada KaDeWe, com grifes como Cartier, Louis Vuitton e, no topo, há um espaço gourmet, com opções deliciosas de restaurantes e guloseimas como chocolates, geleias, doces.

Uma loja incrível para comprar souvenirs e lembrancinhas é a Ampelmann Shop. Ampelmann é o bonequinho tradicional dos semáforos de pedestres da Alemanha Oriental. Hoje, ele é um símbolo da cidade de Berlim. Na Kudamm há uma loja, mas na cidade toda existem outros endereços.

O Ampelmann dá o sinal verde - pode seguir! (Foto: Lais Nitta.)

O Ampelmann dá o sinal verde – pode seguir! (Foto: Lais Nitta.)

Ampelmann - Pare, olhe, veja! (Foto: Lais Nitta.)

Ampelmann – Pare, olhe, veja! (Foto: Lais Nitta.)

Loja da Nivea

Na Unter den Linden (nº 28), a Avenida do Portão de Brandenburgo, está uma loja conceito da marca de cosméticos Nivea. Sou fã dos produtos e lá estão expostas todas as novidades. O mais interessante dessa loja é que há um espaço de serviços, um SPA, em que é possível fazer diversos procedimentos relaxantes e estéticos. Quem precisa dar uma relaxada após muita caminhada, é uma boa pedida.

Restaurantes

Aos domingos, o turista pode aproveitar um dos brunchs que alguns cafés da cidade oferecem. É um ótimo custo/benefício. Já quem quiser economizar, pode comprar comida nos mercados. Iogurtes são deliciosos, custam alguns centavos. Saladas a € 2,00… É bem barato.

Mas comer em restaurante também não é absurdo. Com € 15,00 é possível comer muito bem. Tomei uma sopa por € 7,00 em um restaurante italiano e não consegui terminar o prato, porque as porções são generosas.

O Pfund e o retorno de garrafas em Berlim

Se você for ao mercado comprar bebidas, é costume cobrar uma taxa na garrafa, que varia se o material for de plástico ou vidro. São alguns centavos, mas, para estimular a reciclagem, é possível voltar ao mercado e devolver as garrafas numa máquina. No final da operação, você recebe seus centavos de volta, que podem ser usados como desconto numa próxima compra. Muito bacana. Se tiver dificuldades, peça ajuda a alguém que trabalhe lá -> pra entender melhor

Sites úteis de Berlim

  1. http://simplesmenteberlim.com/dicas-e-informacoes-uteis/
  2. http://simplesmenteberlim.com
  3. http://berlimais.com/
  4. http://ampelmann.de/html/shops_english.html
  5. http://www.bvg.de/en/
  6. http://www.visitberlin.de/en/welcomecard
  7. https://reederei-riedel.de/en/
  8. http://www.citytourcard.com/en

Muito amor em Berlim!

Se tem uma coisa que eu gosto muito são os alemães. O povo é muito bacana, tenho amigas incríveis, cultas, divertidas. Mas se for abordar alguém para pedir informações, peça para os jovens. Nem todas as pessoas mais velhas falam inglês. Mas antes de abordar qualquer pessoa, uma coisa simpática a se fazer é perguntar se ela fala inglês e depois fazer a pergunta. É uma questão de educação e no geral as pessoas são super amáveis… Uma vez eu estava numa estação de trem, verificando o painel e um senhor me abordou perguntando se eu precisava de ajuda. Eu nem pedi, ele que se ofereceu. Muito amor em Berlim <3

A cúpula de vidro do Reichstag, o Parlamento Alemão. (Foto: Lais Nitta.)

A cúpula de vidro do Reichstag, o Parlamento Alemão. (Foto: Lais Nitta.)

Eu AMO planejar viagens, acho que tenho um talento natural. Acredito que a viagem acontece a partir de seu planejamento, ao pesquisar mapas e locais na internet, organizando roteiro, separando o que fazer por dia/bairro… Além disso, adoro ajudar meus amigos a planejar a viagem deles.


Lais é jornalista e, como ela mesmo disse, ama planejar viagens. É paulistana, mas já morou em Paris, na França, e em Yokohama, no Japão. Nas voltas da vida, voltou para a velha e boa cidade da garoa. Para ela, as boas dicas são aquelas dos locais – e tudo aquilo que foge do convencional.

Reserve aqui o seu hotel em Berlim.

Para ler mais sobre a Alemanha, acesse este link.

E quanto a você, leitor viajante, não deixe de compartilhar suas dicas e histórias de viagens pelo mundo! Escreva para o Bilhete Premiado e deixe a sua marca!

O Monumento ao Holocausto, em homenagem aos judeus. (Foto: Lais Nitta.)

O Monumento ao Holocausto, em homenagem aos judeus. (Foto: Lais Nitta.)

A cúpula de vidro sobre o Parlamento Alemão. (Foto: Lais Nitta.)

A cúpula de vidro sobre o Parlamento Alemão. (Foto: Lais Nitta.)

O interior do Parlamento Alemão! Exemplo de transparência na condução da política. (Foto: Lais Nitta.)

O interior do Parlamento Alemão! Exemplo de transparência na condução da política. (Foto: Lais Nitta.)

A história dos anos de terror nazista. (Foto: Lais Nitta.)

A história dos anos de terror nazista. (Foto: Lais Nitta.)

O Topographie des Terror conta o histórico dos anos sob domínio nazista, no local onde funcionava a sede da polícia política. (Foto: Lais Nitta.)

O Topographie des Terror conta o histórico dos anos sob domínio nazista, no local onde funcionava a sede da polícia política. (Foto: Lais Nitta.)

Show Buttons
Hide Buttons
%d bloggers like this: