Martinica, o Caribe francês como você nunca viu!

Compartilhe!

Depois de dar um bom giro pelo Caribe, descobri que cada cultura enxerga a região de uma forma diferente. O brasileiro vê o Caribe como Cancún ou como Punta Cana! Praias de areias brancas, com resorts all inclusive, baladas e bebidas!

Já o Francês… bom, é um pouco diferente! Como a França tem 4 territórios ultramarinos na região – e essas ilhas são bem diferentes de Cancún ou de Punta Cana, a percepção é outra.

Um desses territórios é a Ilha da Martinica, o Caribe francês como você nunca viu! Ou pelo menos como você ainda não tinha pensado que ia ver! Neste post, falarei apenas dos pontos turísticos. Informações úteis sobre a ilha você encontra neste link.

Quer saber o que a ilha tem de bom? Chega aí que vou explicar os melhores passeios turísticos pela Martinica – e a indicação das melhores praias, inclusive aquelas guardadas a 7 chaves pelos franceses (vá… talvez 6, porque eu consegui descobrir!).

Martinica tem o azul do Caribe e vários outros tons, passando pelo branco e pelo verde!

Martinica tem o azul do Caribe e vários outros tons, passando pelo branco e pelo verde!


Caribe das cores azul, branco e verde!

Costumo dizer que o Caribe é comumente lembrado pelas praias de areia branca igual talco e pela água azul transparente. Na Martinica, há um terceiro elemento que é lembrado o tempo todo! O verde da mata! A ilha é uma região montanhosa de vulcões e passa dos 1.300 metros de altitude!

Isso transforma o cenário das praias de uma forma incrível e faz com que o brasileiro se lembre do cenário Rio-Santos. Sem mais enrolações, vou logo às melhores praias da ilha!

A baía escondida de Anse Noir - Martinica tem o verde que nem toda ilha do Caribe tem!

A baía escondida de Anse Noir – Martinica tem o verde que nem toda ilha do Caribe tem!

Les Figuiers

A praia de Le Figuiers (ou Anse Figuers) é frequentada basicamente por locais e tem a água mais azul Caribe da Martinica, além de proporcionar o melhor banho de mar em uma piscina natural de água salgada extremamente relaxante.

A praia tem uma pequena casa de artesanato local e algumas barracas de água e lanche – tem boa estrutura, mas é raro ver pessoas de fora da Martinica lá. É uma opção pra descanso muito agradável e que garante boas fotos nas águas azuis transparentes do Caribe!

A praia de Les Figuieres, no sul da Ilha da Martinica - o Caribe como você sempre sonhou!

A praia de Les Figuieres, no sul da Ilha da Martinica – o Caribe como você sempre sonhou!

Les Salines

Aqui estamos falando da praia mais bonita da Martinica (e uma das mais bonitas que eu já vi!). A praia está localizada na parte sul da ilha. Distante da lava do Mt. Pelée, a faixa de areia é branca e deixa o mar azul clarinho – mas o que faz de Les Salines a praia mais bonita da ilha é uma composição cenográfica! Ela está repleta de árvores que proporcionam uma sensação de paz e descanso!

Sabendo ser a praia mais bonita, ela também tem uma ótima estrutura pro viajante! Tem banheiros e duchas de água doce de graça e diversas barraquinhas de comida. Dica especial pra barraca de sucos na entrada da praia que vende sucos de frutas deliciosos, combinando sabores e misturando com água de coco.

Composição cenográfica de Les Salines, a praia mais bonita da Martinica.

Composição cenográfica de Les Salines, a praia mais bonita da Martinica.

Parte de Les Salines, uma das praias mais bonitas que já fui! O que faz a diferença é a composição do cenário! Certamente a mais bonita da Martinica.

Parte de Les Salines, uma das praias mais bonitas que já fui! O que faz a diferença é a composição do cenário! Certamente a mais bonita da Martinica.

Anse Noir e Anse Dufour

Traduzindo do francês, Anse Noir significa baía preta. A praia leva esse nome porque tem a areia preta. Não vai ter aquele aspecto de praia brasileira de areias douradas, mas a areia preta, ali, tem seu charme – e o local é incrível pra um banho de mar!

Este é um dos locais guardados a sete chaves pelos franceses e fora dos guias turísticos da Martinica. De destaque, um píer enorme que se estende da praia até o final da baía, um espaço de sombra espetacular e, para a surpresa de muitos, uma praia onde é fácil, fácil ver e nadar com tartarugas marinhas! Traga seu snorkel!

Junto com a praia de Anse Noir, podemos dizer que Anse Dufour é a dobradinha perfeita! Ambas estão a alguns degraus abaixo, mas em escadarias distintas – quem visita uma está a poucos passos da outra, porque ficam no mesmo estacionamento.

O diferencial de Anse Dufour? Areias brancas, uma pequena vila de pescadores e barzinhos de praia pra saborear comida local! A estrutura que não existe em Anse Noir.

A areia de Anse Noir faz jus ao nome - é escura! Mas a baía, além de reservada, tem uma água cristalina e é um dos pontos para nadar com tartarugas na Martinica.

A areia de Anse Noir faz jus ao nome – é escura! Mas a baía, além de reservada, tem uma água cristalina e é um dos pontos para nadar com tartarugas na Martinica.

Grand Anse d’Arlét

O mais incrível de Grand Anse d’Arlet é o pôr do sol! Fim de tarde é o lugar perfeito pra ver o sol se pôr no mar, com uma luminosidade incrível! A praia faz jus ao nome de Grand Anse, porque é uma enseada enorme – uns 30 minutos de caminhada pra cobrir toda a orla!

Ali está um dos restaurantes mais badalados da Martinica, o Ti Sable. A estrutura é ótima e a comida também! E há cadeiras e guarda-sol na orla pra curtir aquele espetáculo!

Por ser uma praia extensa, em uma área bem povoada da Martinica, Anse d’Arlet tem várias opções pra comer e beber – só fique esperto que tudo fecha cedo por lá!

O pôr do sol em Grand Anse d'Arlet. Delícia de fim de tarde na Martinica.

O pôr do sol em Grand Anse d’Arlet. Delícia de fim de tarde na Martinica.

Plage du Diamant

A enseada é linda, de areias brancas, água azul clarinha e, do alto, proporciona um visual espetacular! A praia é bacana, só não é tão completa como Anse d’Alert ou Les Salines. Distante da orla, repousa imponente a Rocher du Diamant, um ícone da parte sul da Martinica!

O mais famoso da praia é a rocha no meio do mar com formato de diamante e que pode ser vista de vários lugares do sudoeste da ilha. A pedra ficou famosa por várias histórias antigas – se tiver curiosidade, tem até site pra não deixar esquecer! Rocher du Diamant.

O que conta a seu favor é a facilidade pra chegar e a extensa faixa de areia, sendo uma das praias mais extensas de toda a ilha, além do típico azul Caribe do mar!

A Plage du Diamant, uma extensa faixa de areia na Martinica com o Rocher du Diamant ao fundo.

A Plage du Diamant, uma extensa faixa de areia na Martinica com o Rocher du Diamant ao fundo.

Saint Pierre

Saint Pierre foi a capital da Martinica, até a explosão do vulcão Pelée, em 1902! Era a maior cidade da região até então…

As praias da cidade não são chamativas, porque as areias são na verdade cinzas vulcânicas e o aspecto é de praia suja – não se deixe enganar! Na verdade, a água é limpa e cristalina! Só o fundo que é escuro e o visual que não é tão atraente!

Bom, a cidade se remodelou, mas antigos locais ainda existem em forma de ruína – é quase uma Roma caribenha! De imperdível há o teatro e a antiga prisão de St. Pierre. Além deles, há ruínas de casas e comércio no meio da rodovia!

Ruínas no meio de St. Pierre lembram que a antiga capital da Martinica já foi a maior cidade das Antilhas.

Ruínas no meio de St. Pierre lembram que a antiga capital da Martinica já foi a maior cidade das Antilhas.

Praias de areias vulcânicas foram a enseada de St. Pierre.

Praias de areias vulcânicas foram a enseada de St. Pierre.

Ruínas do antigo Theatro de St. Pierre - hoje recordações da erupção daquela que foi a maior cidade das Antilhas.

Ruínas do antigo Theatro de St. Pierre – hoje recordações da erupção daquela que foi a maior cidade das Antilhas.

Montagne Pelée

Antes de falar do programa, um pouco de história! Até 1902, a capital da Martinica era a cidade de Saint Pierre, considerado então o maior porto das Índias Ocidentais. Acontece que no dia 8 de maio daquele ano o vulcão de Mt. Pelée resolveu entrar em erupção. Em 3 minutos, devastou a cidade, os barcos que estavam ao redor da ilha e dizimou algo entre 30.000 a 40.000 pessoas. O vulcão continua ativo, passando apenas por um período de dormência.

A subida ao cume do vulcão Pelée não é fácil, mas está longe de ser muito difícil.

Fui em um dia nublado, de tempo bem ruim, mas ouvi de uma francesa que chegar ao topo era uma coisa muito especial, mesmo com nuvens e com a vista parcialmente encoberta. A sensação é magnífica. Valeu a pena – então não conte com boas fotos minhas, apenas com a recomendação pra subir o antigo vulcão de Mt. Pelée.

A vista do alto do Mt. Pelée - tudo encoberto na Martinica, mas a sensação recompensa.

A vista do alto do Mt. Pelée – tudo encoberto na Martinica, mas a sensação recompensa.

Bibliothèque Schoelcher

Só vendo uma foto pra ter uma ideia do que é a Biblioteca Schoelcher! Vou deixar uma minha aqui embaixo! Parece algo impensável no meio de uma ilha caribenha!

Situada no meio de Fort-de-France, a Bibliothèque Schoelcher é uma atração imperdível! Foi inteira montada em Paris, desmontada e levada para a Martinica de navio, onde foi montada novamente. O edifício é bastante interessante! A visita é livre, mas não tem ninguém nem nenhum guia pra explicar os detalhes do interior da biblioteca…

Utilize seu tempo em Fort-de-France pra visitar a biblioteca – casar com o embarque / desembarque no ferry é uma excelente oportunidade, já que você não deve gastar mais de 10 minutos na visita!

A Biblioteca Schoelcher, um ícone de arquitetura da Martinica!

A Biblioteca Schoelcher, um ícone de arquitetura da Martinica!

Morne Gommier

O Morne Gommier é um mirante no alto do que hoje é um vulcão extinto, localizado na região de Le Marin, bem ao sul da Martinica. O Morne Gommier não é tão alto quanto a Montagne Pelée, mas mesmo assim tem um cenário incrível e, em um dia de sol, é possível avistar boa parte da Martinica – incluindo o próprio vulcão Pelée, ao norte!

O acesso é de carro, é pago (€ 5,00 por pessoa) e tem guia pra explicar cada parte da morfologia da ilha!

A vista do alto do Morne Gommier - um overview do lado sul da Martinica.

A vista do alto do Morne Gommier – um overview do lado sul da Martinica.

Presqu’île de la Caravelle

Presqu’île significa quase ilha – é um braço de terra que forma um golfo um pouco afastado do restante da costa na parte leste da ilha! Na região há uma das trilhas mais famosas da Martinica, que percorre a costa do Atlântico – um paredão que garante ótimas fotos, especialmente em dias ensolarados.

A trilha se divide em duas: uma menor (1h30) e uma mais longa (3h00). A menor parece não valer tanto a pena, pois não chega ao oceano e não dá acesso à costa. Já a maior passa por manguezais até chegar à costa e depois contorna toda a região, passando por algumas praias.

Levar boné, tênis e protetor solar, além de água e um lanche é essencial na trilha! E uma boa máquina fotográfica!

Caranguejo ermitão no meio da trilha de Presqu'île de la Caravelle.

Caranguejo ermitão no meio da trilha de Presqu’île de la Caravelle.

Surf na Martinica! Em Presqu’île tem!

A Martinica não foi uma ilha moldada para o surf, mas no canto leste há essa opção! Presqu’île é o único local com estrutura pra quem gosta de surf ou pretende fazer algumas aulas!

Tem surf camps, aluguel de pranchas, aulas de surf e, claro, como não podia faltar, boas ondas! Destaque para o Itacaré Surfshop! Com esse nome, brasileiro tem a obrigação de pegar umas ondas por ali!

Mergulho na Martinica

A Martinica tem vários lugares atrativos pra quem gosta de mergulhar. Um deles é o Rocher du Diamant, com algumas cavernas no meio da pedra. Como Escola de Mergulho, indico a Alpha Plongée, empresa tradicional na ilha com base no meio da praia de Grand Anse d’Arlet.

Ao fundo, o Rocher du Diamant, um dos pontos preferidos pra mergulho na Martinica.

Ao fundo, o Rocher du Diamant, um dos pontos preferidos pra mergulho na Martinica.

Sacré-Coeur de Balata

Ir pra Paris fazer turismo significa muitas vezes entrar em várias igrejas… bom, estamos na França, certo? Ao norte de Fort-de-France está a pequena e simpática Sacré-Coeur de Balata, o que parece ser uma irmã mais discreta da homônima de Paris.

O diferencial? No meio da mata e no alto de uma colina, tem uma vista incrível! Vale uma parada rápida de 5 ou 10 minutos caso queira fazer dobradinha com o Jardin de Balata!

A fachada da Sacré Coeur de Balata, uma modesta igreja para os padrões de Paris, mas que se encaixa perfeitamente na Martinica.

A fachada da Sacré Coeur de Balata, uma modesta igreja para os padrões de Paris, mas que se encaixa perfeitamente na Martinica.

Jardin de Balata

Sabe aqueles jardins franceses bem decorados? Então, a ideia é basicamente essa, mas tendo uma vegetação como a Mata Atlântica de fundo! E no meio do Caribe!

Vamos dizer que o Jardin de Balata é uma espécie de jardim botânico da Martinica! É bem cuidado e oferece um simpático passeio entre a vegetação da ilha! Fica 10km ao norte de Fort-de-France e pode ser visitado no caminho de / para St. Pierre.

Cenas do Jardin de Balata, um jardim no alto das montanhas da Martinica, no melhor estilo A Europa é Aqui! Aqui no meio do Caribe!

Cenas do Jardin de Balata, um jardim no alto das montanhas da Martinica, no melhor estilo A Europa é Aqui! Aqui no meio do Caribe!

Habitation Clement

Visitar uma fábrica de rum é uma obrigação no sudeste caribenho e na Martinica isso não é diferente! A mais famosa delas? Eu apostaria na Habitation Clement.

Fica na parte leste da ilha, na cidade de Le François, então programe sua visita combinando algum giro pela região. Cuidado ao beber e dirigir! Você estará na França e as leis são duras! Melhor seria comprar pra levar na mala!

O que comer na Martinica! E o que beber!

Accras, Accras, Accras! Com um bom champagne ou um vinho de Bordeaux, que pode ser substituído por um Run Punch, uma boa dose de rum ou até por um Ty-Punch, caso você aguente o tranco! Acrescente pimenta e, voilà! Pareceu confuso? Te explico!

A culinária da Martinica!

A comida na Martinica mistura a culinária francesa com a crioula e, dessa combinação, surgem pratos espetaculares! Tem tudo do mar e mais um pouco, com os temperos franceses e africanos, o que faz da combinação uma explosão de sabores!

Les accras, ou simplesmente accras, são bolinhos com recheio de peixe (tem de camarão também, mas não é o clássico) e são deliciosos! Dá pra dizer que esse é o prato mais típico da ilha da Martinica. E pode apostar que é mesmo – tem em todos os lugares!

E as bebidas da Martinica!

Como é território francês, o acesso ao champagne e aos vinhos franceses é muito barato, até porque tem a tributação reduzida. Mas o Caribe é também a terra do Run e a Martinica tem os seus próprios! No calor, não tenha dúvidas de pedir um bom champagne ou um vinho branco refrescante, mas não deixe de provar o Rum da Martinica!

Falando em Rum, no Caribe há a tradição de tomar Run Punch, uma batida que mistura rum e frutas tropicais, super refrescante! É como se fosse a capirinha deles, mas é mais elaborada e mistura mais de uma fruta.

Na Martinica (e também em Guadalupe), os franceses inventaram o Ty-Punch, nome que vem de Petit Punch (pequena batida) – é como se fosse uma dose de cachacinha – rum branco puro, em pequenas doses, com limão! Não curti a pegada, mas sigo fã incondicional do Run Punch.

Pignon Nouvelle Vague

Um restaurante que possui bons preços e é maravilhoso é o Pignon Nouvelle Vague. Fica na praia de Anse L’Ane (pé na areia). Na dúvida, vá de Fricassèe de Chatrou (polvo ao molho crioulo)! Tem tudo pra ser a melhor refeição na Martinica!

Horário dos restaurantes e das barracas de praia!

Atenção! Muitos dos restaurantes (a maioria!) e barracas de praia só servem almoço das 12h às 14h e só voltam a servir refeição após às 19h, se abrirem a noite.

Os que servem snacks ou pratos e não funcionam a noite, só servem refeição até às 17h.

Fora desses períodos de funcionamento, caso estejam abertos, esses estabelecimentos apenas servirão bebidas e coisas prontas (raro por lá!). E, por favor, não insista! Não adianta e só aumenta o mau humor dos franceses…

O pôr do sol no Ti Sable, um dos bares de praia mais badalados da Martinica.

O pôr do sol no Ti Sable, um dos bares de praia mais badalados da Martinica.


Leia aqui dicas e informações úteis da Martinica, a Ilha Fetiche dos franceses!

Clique nos links abaixo para escolher o seu hotel na Martinica, separados por cidade:

  1. Les Trois-Ilêts;
  2. Les Anses-d’Arlets;
  3. Le Diamant;
  4. St. Anne;
  5. St. Pierre (norte da ilha).

E quanto a você, leitor viajante, não deixe de compartilhar suas dicas e histórias de viagens pelo mundo! Escreva para o Bilhete Premiado e deixe a sua marca!

Show Buttons
Hide Buttons
%d bloggers like this: