Piranhas, a deliciosa cidade histórica aos pés do São Francisco

Compartilhe!

Sabe aqueles lugares que, de tão especiais, não saem da memória? Tenho alguns em uma lista mental que carrego sempre comigo!

No Brasil, lembro de lugares como Fernando de Noronha e a Chapada dos Veadeiros. No exterior, tenho um carinho muito especial por Caye Caulker!

O destino recentemente acrescentei a essa minha pequena lista mental foi Piranhas, no sertão de Alagoas. Ali, um tanto quanto esquecida por causa dos passeios bate-e-volta ao Cânion do Xingó, a cidade repousa tranquila às margens naturais do leito do Rio São Francisco, em um trecho não modificado pela ação do homem. Se o turismo não chegou lá com força, aproveite pra curtir noites mais calmas, quando a horda de turistas volta pra Aracaju ou pra Maceió.

A simpática cidade de Piranhas, às margens do Rio São Francisco.

A simpática cidade de Piranhas, às margens do Rio São Francisco.

Antes de mais nada, saiba que este post faz parte de uma seleção de postagens sobre a região do Xingó de São Francisco. Já saíram posts sobre o Cânion do Xingó, a UHE de Xingó e a Rota do Cangaço. Clique nos links pra ler mais sobre esses destinos! Pra Piranhas, continue lendo esta página!


Um pouco da história de Piranhas!

Pois bem, a cidadezinha é pequena, mas tem história antiga! Recebeu Dom Pedro II em uma expedição responsável por mapear todo o percurso do São Francisco, que ficou conhecida como Rota do Imperador. Durante sua visita, em 1859, o então Imperador fez um registro de sua passagem por Piranhas:

Tirei uma vista à pressa do rio junto a Piranhas de cima, através da grade de pau da janela do meu quarto, e depois dormi até o jantar.

Anos mais tarde, a cidade volta ao cenário nacional, porque foi dali que partiu a volante (como era conhecida a PM) que preparou a emboscada ao bando de Lampião e de Maria Bonita, em 1938.

O centro histórico de Piranhas, com casarões coloniais muito bem preservados.

O centro histórico de Piranhas, com casarões coloniais muito bem preservados.

Além de fatos históricos do Brasil e, especialmente, da história dos sertões e do Velho Chico, Piranhas foi também um importante centro comercial. Funcionava como porto e como destino final da linha de trem que a ligava com o Recife (sim, trens! Você leu certo!). Infelizmente, hoje a linha ferroviária está desativada e a região deixou de ser um centro fluvial porque, com a construção da barragem da UHE de Xingó, a navegação foi interrompida. Foram registros que ficaram pra história! Piranhas hoje vive mais de turismo – e vive bem!

Turismo em Piranhas!

Esqueça aquela história de bate-e-volta desde Aracaju ou de Maceió pra conhecer o Cânion do Xingó. É puxado e na região há mais o que fazer. Sem contar com atrações turísticas, o centro histórico de Piranhas é uma atração em si! Vale a pena só estar ali! Duas diárias são suficientes, mas se quiser esquecer da vida, pode ficar mais – combine carro com atrações mais distantes, como Paulo Afonso e outros passeios Rio São Francisco acima.

Piranhas tem uma aura um tanto quanto lírica e poética, o que sugere que passar o tempo apenas curtindo o momento pode ser uma boa.

A simpática Igrejinha de Piranhas, a mais de 300 degraus acima do centro histórico!

A simpática Igrejinha de Piranhas, a mais de 300 degraus acima do centro histórico!

Da praça principal, com o chão todo em pedras, há um acesso à Pedra do Sino e à Capela de Piranhas, com mais de 300 degraus pra subir em cada escadaria (Pernas! Pra que te quero?). Aliás, dois ótimos pontos pra assistir ao pôr-do-sol!

Perto do centro histórico também está o porto, com acesso aos barcos que levam à Grota do Angico e à antiga estação ferroviária, hoje apenas pra relembrar a história.

Fora do centro – e no caminho pra Canindé de São Francisco – a entrada da Usina Hidrelétrica de Xingó convida os turistas a uma visita diferente. É dali de perto que está o melhor pôr-do-sol da região, direto do Restaurante Caboclo d’Água, outra boa opção pra curtir a culinária local.

O Rio São Francisco, em seu leito natural, contornando a cidade de Piranhas.

O Rio São Francisco, em seu leito natural, contornando a cidade de Piranhas.

E é no centro histórico que a noite toma cena! Uma rua de casarões antigos e coloridos formam uma pequena alameda de restaurantes, com comidas típicas da região e, surpresa, até comida japonesa! Fome você não vai passar! Mas fique com as opções regionais e deixe o japonês pra comer em São Paulo! As comidas são muito bem feitas!

Como chegar a Piranhas

O melhor jeito é alugar um carro em Aracaju ou Maceió e pegar estrada. Apenas 219 km separam Aracaju de Piranhas, em um trajeto que deve durar cerca de 3h30, no máximo 4h de viagem. Pra quem parte de Maceió, são 259 km da capital alagoana até Piranhas e, apesar de um pouco mais distante, o tempo de viagem é aproximado.

Qualquer uma dessas capitais atende bem ao viajante que quer chegar à região do Xingó. As estradas são tranquilas, mas não são das melhores e tem bastante caminhão, por isso, cuidado redobrado!

Há opções de bate-e-volta com excursão pra conhecer apenas o Cânion do Xingó, mas não recomendo! O ideal é mesmo alugar um carro e explorar a região com mais calma. Dois ou três dias são suficientes!

O que esperar de Piranhas!

Fiquei pensando como responder a essa pergunta… de verdade, espere uma surpresa positiva! Eu li bastante sobre Piranhas antes de visitar a região do Xingó. E quase nada do que eu li correspondeu ao que eu encontrei! Verdadeiramente, me surpreendi! Achei Piranhas uma cidade histórica super bem cuidada, com traços bacanas e com uma história de dar inveja!

Uma piranha na praça principal de Piranhas!

Uma piranha na praça principal de Piranhas!

Sem contar que tem o lendário Rio São Francisco, um dos mais importantes do Brasil e, certamente, o mais importante do Nordeste. A combinação de cidade histórica com a natureza transforma o lugar.

Vá, viaje, conheça e surpreenda-se! Volte, assim como eu, um apaixonado por Piranhas (a cidade, sem trocadilhos infames!)!

Para se hospedar na região do Xingó, indico o Hotel Aconchego do Velho Chico, em Piranhas.

Outro hotel bem recomendado é o Hotel Pedra do Sino.

Se preferir, há outras opções de hospedagem na cidade.

E quanto a você, leitor viajante, não deixe de compartilhar suas dicas e histórias de viagens pelo mundo! Escreva para o Bilhete Premiado e deixe a sua marca!

Do alto da escadaria da Igrejinha de Piranhas é possível avistar toda a cidade e o centro histórico.

Do alto da escadaria da Igrejinha de Piranhas é possível avistar toda a cidade e o centro histórico.

O Rio São Francisco é o maior atrativo natural de Piranhas.

O Rio São Francisco é o maior atrativo natural de Piranhas.

O centro histórico de Piranhas, com chão de pedra da época do Brasil Império.

O centro histórico de Piranhas, com chão de pedra da época do Brasil Império.

3 Responses

  1. Anonymous
    Anonymous 05/09/2016 at 1:32 pm |

    Oi. Estamos pensando em fazer esse passeio no começo de outubro. Vou ficar 2 dias em Piranhas e depois ir conhecer a Foz do Rio Sao Francisco. Você chegou a conhecer? Estou pensando em me hospedar em Penedo e de lá fazer o passeio, e também ir até as Dunas de Piaçabuçu.

  2. Ivana
    Ivana 14/09/2016 at 9:16 pm |

    Nossa base será Aracaju. Vamos chegar e sair por lá.

    Ivana

Comments are closed.

Show Buttons
Hide Buttons
%d bloggers like this: