Viagem para a comunidade Inkiri em Piracanga

Compartilhe!

Está pensando em fazer um retiro de autoconhecimento ou espiritual, relaxar corpo, mente e alma? A Comunidade Inkiri pode ser o lugar perfeito!

Quem conta pra gente como foi sua experiência e um pouquinho de como funciona o lugar é o leitor Eduardo Alexis, que tirou 5 dias pra vivenciar a experiência do local.


Há um tempo vi uma reportagem na TV sobre a Comunidade Inkiri e a Ecovila de Piracanga, que fica localizada no Sul da Bahia, próximo à Itacaré. Lembro-me que a reportagem despertou minha atenção devido ao estilo de vida e da filosofia da comunidade e a tranquilidade do dia a dia que os locais passavam na matéria.

Resolvi então que gostaria de conhecer Piracanga e vivenciar com meus próprios olhos todo aquele estilo de vida mostrado. Resolvi fazer um pit stop de 5 dias na Comunidade em meio à uma mini viagem sabática pelo nordeste de um mês que estava fazendo. Então, se você busca passar um tempo relaxando, em contato com a natureza, dormir às 21h e acordar às 5h, levar uma rotina diferente da tradicional, desconectar da vida, desintoxicar de padrões e descansar o corpo, mente e alma, Piracanga é um bom lugar para você!

A Mata Atlântica chama atenção para a sempre presente relação entre o homem e a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

A Mata Atlântica chama atenção para a sempre presente relação entre o homem e a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

Quando resolvi passar os 5 dias em Piracanga, achei que deveria vivenciar na pele o dia a dia dentro da própria comunidade, desta forma preferi ficar hospedado na casa de um morador local e não na hospedaria que a própria comunidade oferece. Passei as noites em um quarto na casa de um jovem morador da Ecovila, um paulista de 28 anos, formado em economia pela GV e que trabalhava em um Banco de Investimentos, empreendedor que já teve uma start up e resolveu mudar o estilo de vida completamente para viver em Piracanga, hoje ele está por lá há quase 3 anos e não se arrepende da escolha.

Chegando à Comunidade Inkiri

Como estava em Itacaré há uma semana, resolvi agendar e pagar pelo transporte que a própria comunidade Inkiri oferece para chegar em Piracanga. Assim que o Land Rover 4×4 chegou para buscar os passageiros que ali estavam no aguardo, percebi a transição de estilo de vida, pois lá estavam alguns moradores que estavam passando o dia em Itacaré e outros que estavam no break de cursos mais longos oferecidos no centro Holístico da comunidade. Dentre os 8 passageiros, eu era o único que ainda não conhecia Piracanga e ao longo da viagem entre um buraco e outro, lama e o vai e vem da estrada de terra que era preciso pegar para chegar a Piracanga, pude conversar um pouco mais com os passageiros locais para tentar entender melhor o que me esperava. Ah, não tentem chegar de carro comum a Piracanga, certamente vocês ficarão no meio do caminho atolados!

A Comunidade Inkiri

Afinal, o que seria realmente esta Ecovila, centro holístico e a Comunidade Inkiri?

Vou tentar resumir dentre as diversas definições e explicações que encontramos por aí. É uma comunidade que nasceu por volta de 2004 através de sua idealizadora, Angelina Ataíde, uma Portuguesa que teve um sonho, em determinada noite, de fundar uma comunidade e, em viajem pelo Brasil, conheceu Piracanga, local muito parecido com o seu sonho, e mudou-se definitivamente com seu marido e seus 2 filhos para fundar e iniciar o crescimento e propagação da filosofia e dos ideais desta comunidade.

Atualmente a Ecovila, a Comunidade Inkiri e o Centro Holístico são um ecossistema que me parece muito bem estruturado e seguem os princípios e os conceitos de uma sociedade econômica moderna e bem equilibrada, onde há uma gestão financeira e estratégica muito bem definidas que muito me lembrou de uma grande empresa.

Em Piracanga a filosofia da comunidade é focada no equilíbrio entre Natureza, Bem-estar, Espiritualidade e o Ser Humano, que são notados em diversas práticas e ações que pude vivenciar nesses dias que passei por lá.

Ecovila Piracanga - Equilíbrio entre Natureza, Bem-estar, Espiritualidade e o Ser Humano. (Foto: Eduardo Alexis.)

Ecovila Piracanga – Equilíbrio entre Natureza, Bem-estar, Espiritualidade e o Ser Humano. (Foto: Eduardo Alexis.)

A relação com a natureza

A relação com a natureza é muito presente na comunidade. As casas, os centros holísticos, a hospedaria e todas as construções estão inseridas literalmente no meio da fauna e flora, onde só é permitido a construção em 10% de cada terreno; Toda a energia das casas e dos estabelecimentos comuns são produzidas por energia solar, já que não chega energia elétrica por lá. Durante a noite uma lanterna de pilha foi essencial para que possa iluminar meu caminho de volta à casa que estava hospedado, já que não estava acostumado com o ambiente e a lua não iluminava completamente meu caminho.

A convivência com pequenos insetos, aranhas, calangos, morcegos, formigas gigantes, lagartixa, baratinhas, pássaros e até macacos acabava sendo bem natural no dia a dia e tínhamos que aprender a dividir os mesmos espaços, uma vez que sempre tinha que tomar cuidado ao andar pela casa, no caminho da Ecovila ou até quando ia ao banheiro para não pisar em nenhuma aranha, calango ou baratinhas, ou até quando tomava banho o cuidado era redobrado para não afogar algum inseto ou aranha.

Ficar na rede relaxando do lado de fora da casa, você certamente seria atacado por pernilongos e insetos, mas a tranquilidade daqueles momentos me fazia encarar este “problema”. Ah, nem tente dormir sem o mosquiteiro, no dia seguinte, se conseguisse dormir, com certeza você acordaria todo picado.

A rede de uma das casas da Ecovila de Piracanga é convidativa e inserida no meio da Mata Atlântica - em contato com a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

A rede de uma das casas da Ecovila de Piracanga é convidativa e inserida no meio da Mata Atlântica – em contato com a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

Equilíbrio entre o homem e a natureza

Na comunidade não há rede de esgoto, a água que bebemos por lá é toda tratada diretamente por um sistema natural e sustentável da comunidade, onde as bananeiras se encarregam de filtrar todas as impurezas da água antes de cair no lençol freático da região e retornar para o consumo ou para o uso do dia a dia.

Há diversos banheiros “secos” de uso comum espalhado pela comunidade, onde todos os resíduos são tratados durante o processo de compostagem e viram adubos para a vegetação local. Em várias casas não há banheiros secos, porém há toda uma preparação e cuidado com os resíduos produzidos nos banheiros que também passam por um tratamento de compostagem antes de virarem adubos para as plantas locais, além do cuidado com o tratamento da água utilizada nas pias e nos chuveiros que também desembocam em bananeiras espalhadas pelo terreno da casa.

Todo o lixo produzido na comunidade é reciclado e armazenado separadamente, as garrafas pets e os plásticos utilizados viram tijolos para as construções das casas, algo muito interessante e bem sustentável que vi por lá; Já utilizou produtos de higiene pessoal e de limpeza da casa que sejam biodegradáveis? Em Piracanga só é permitido o uso destes produtos, desta forma não agride a água utilizada por lá e não contamina o lençol freático.

A experiência de utilizar uma pasta de dente feita de argila branca com menta, ou por exemplo um desodorante que a base era féculas de mandioca foram experiências à parte, mas bem tranquilas por saber dos benefícios que esta atitude causava. Todos os produtos são produzidos pela comunidade; também podemos encontrar sabonetes, shampoos, protetor solar, repelente e tudo que precisar você encontra na loja deles.

A natureza se faz sempre presente em Piracanga. (Foto: Eduardo Alexis.)

A natureza se faz sempre presente em Piracanga. (Foto: Eduardo Alexis.)

Alimentação vegana na Comunidade Inkiri

Que tal passar um período só com alimentação vegana? Por lá no restaurante e lanchonete só servem comida vegana, achei que sentiria um pouco de dificuldade para me alimentar, mas achei a comida muito saborosa e criativa no cardápio, sempre repetia o prato! Por lá experimentei a famosa coxinha vegana, feita com recheio de jaca, sensacional! Ou até mesmo no café da manhã um pão de queijo sem queijo, o tal do pão de beijo feito de batata que se parece muito com o pão de queijo!

A Espiritualidade de Piracanga

Em Piracanga podemos encontrar vários núcleos e iniciativas para o desenvolvimento humano e a espiritualidade, através de centros holísticos, cursos, workshops, retiros, seminários, palestras e terapias, tudo voltado para o autoconhecimento e o desenvolvimento de cada pessoa. Lá há diversos focos de cursos, desde a permacultura, vivência em comunidade, bioconstrução e os tradicionais com foco na espiritualidade e no autoconhecimento humano. É a partir destes cursos e atividades que são captados a maior parte dos recursos financeiros para a comunidade e servem para o pagamento de salários das pessoas que lá trabalham, para o financiamento de novos projetos e o desenvolvimento da comunidade.

Há alguns anos foi criado uma escola para as crianças, com filosofia e com parâmetros bem diferentes das tradicionais. Por lá não há provas, testes e as crianças não são divididas por série. A filosofia da escola é desenvolver as crianças de acordo com seu ritmo, onde não há atividades pré programadas para o grupo, cada uma pode focar naquele dia nas atividades que quiser e tudo isso inserido na natureza. É um conceito interessante que demanda certa discussão, mas não há certo ou errado, apenas é preciso atenção no desenvolvimento das competências essenciais das crianças em um mundo com as particularidades atuais.

Aonde seus pés te levam? Em Piracanga, a espiritualidade e o caminho fazem parte de um movimento de reflexão. (Foto: Eduardo Alexis.)

Aonde seus pés te levam? Em Piracanga, a espiritualidade e o caminho fazem parte de um movimento de reflexão. (Foto: Eduardo Alexis.)

O Bem-estar de Piracanga

Com relação ao bem-estar, podemos encontrar diversos locais criados em meio à comunidade para o convívio social e o bem-estar de todos. Há um restaurante de frente para o Rio e para a praia que servem café da manhã, almoço e jantar. Também há uma barraca de coco que oferece bebidas e snacks simples no horário entre o café e o almoço. Há uma lanchonete chamada Açaí que oferece um cardápio enxuto de salgado, doce, suco e o famoso Açaí Natural.

Vale lembrar que todos estes locais só oferecem comida 100% vegana, não vendem de forma alguma nenhum tipo de bebida alcoólica e após as refeições a própria pessoa deverá lavar seus pratos, copo e talheres em uma pia comunitária de cada local! É bem interessante ver adultos e crianças lavando suas próprias louças. Ah, e é proibido fumar ou usar qualquer tipo de drogas por lá.

Há algumas lojas abertas em alguns horários do dia, podemos encontrar uma mini mercearia com produtos alimentícios secos, grãos e sementes, também encontramos outra loja de produtos biodegradáveis para uso pessoal e de limpeza da casa. Há lojas de souvenir, acessórios e roupas básicas. Como a cidade fica um pouco longe da Comunidade, é realizada, 2 ou 3 vezes por semana, uma feira com produtos veganos, orgânicos e outros tipos. É uma oportunidade de comprar frutas e verduras sem andar muitos quilômetros! rs

Uma das casas da Ecovila em que Eduardo ficou hospedado - tudo para o bem-estar dos habitantes. (Foto: Eduardo Alexis.)

Uma das casas da Ecovila em que Eduardo ficou hospedado – tudo para o bem-estar dos habitantes. (Foto: Eduardo Alexis.)

Podemos encontrar diversos espaços para relaxar e curtir a natureza, tais como decks com vista para o rio e para o mar, locais para tomar sol em espreguiçadeiras, cadeiras e sombrinhas feitas com teto de folhas de árvores. Redes e bancos espalhados por diversos locais da comunidade para relaxar entre um momento e outro.

Para praticar esportes há uma quadra de vôlei de praia bem em frente ao rio. Algumas atividades são oferecidas diariamente, tais como aulas de danças, yoga todos os dias às 6h, meditações às 8h30, bem como outras atividades rotativas comunicadas em um quadro de aviso do restaurante diariamente!

É comum observar o dia a dia das pessoas que costumam praticar caminhada e surf na praia, ou até mesmo um simples e relaxante banho de rio antes de iniciar as atividades do dia a dia. Normalmente, após o jantar, às 21h, a maior parte das pessoas se recolhe para suas casas, por já estarem esgotadas das atividades do dia a dia, e por saber que as atividades no dia seguinte iniciam bem cedo! rs

O sol nasce cedo, antes das 5h da manhã - e os moradores da Comunidade Inkiri sabem das as boas vindas! (Foto: Eduardo Alexis.)

O sol nasce cedo, antes das 5h da manhã – e os moradores da Comunidade Inkiri sabem das as boas vindas! (Foto: Eduardo Alexis.)

Visão geral da Comunidade Inkiri em Piracanga

Enfim, o que pude vivenciar em Piracanga foi uma comunidade relativamente pequena, mas percebi que está em constante crescimento e que nos próximos anos chegará a ser uma comunidade bem maior. Atualmente tem 200 moradores locais, sendo que 50 pessoas fazem parte realmente da Comunidade Inkiri. Por lá todo o esforço e organização para o desenvolvimento da comunidade seguem os princípios da sociedade moderna, onde a relação que há com o dinheiro ainda é muito forte e é o que norteia para que a expansão e o desenvolvimento da comunidade aconteçam e consigam permear e implantar seus projetos e filosofias.

Morar em Piracanga acaba não sendo tão barato, mas também não é um absurdo se compararmos a qualidade de vida, a conexão com a natureza e a vida em comunidade que lá conseguimos. Para minimizar estes custos, muitos dos moradores locais moram em casas comunitárias, onde alugam um quarto individual ou dividem um quarto com outra pessoa, mas compartilham as demais dependências comuns com os demais moradores, neste caso a redução de custo é significativa, podendo chegar a mais de 60%.

Todas as casas da Comunidade Inkiri em Piracanga estão inseridas no meio da natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

Todas as casas da Comunidade Inkiri em Piracanga estão inseridas no meio da natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

Casas comunitárias

Morar em casas comunitárias tem lá suas dificuldades iniciais para alguns, pois morar com diferentes tipos de pessoas e hábitos acaba não sendo tão fácil no início, por isso cada casa cria suas regras de convivência para um bom funcionamento geral entre todos, onde cada um fica responsável por alguma atividade da casa. Em um espaço comum entre estas casas comunitárias, há também uma cozinha comunitária onde, se os moradores desejarem, pode haver um acordo para utilizarem e terem refeições prontas todos os dias para aqueles quem desejarem compartilhar os custos e as despesas de alimentação – é como se fosse um novo espaço de conivência entre as casas comunitárias, já que em cada uma delas também são encontrados outros espaços, inclusive cozinha.

Mantendo alguns hábitos

Não é difícil encontrar moradores locais que preferem morar em suas próprias casas, onde podem ter maior privacidade e maior tranquilidade, mas também paga-se um valor maior por este conforto. Nas casas da Ecovila, não necessariamente a alimentação é 100% vegana, mas tentam seguir um pouco este conceito, não sendo proibida uma alimentação diferenciada por lá.

Acordar na beira do rio e, ao fundo, ver o mar, é um privilégio de quem mora em Piracanga. (Foto: Eduardo Alexis.)

Acordar na beira do rio e, ao fundo, ver o mar, é um privilégio de quem mora em Piracanga. (Foto: Eduardo Alexis.)

O estilo das casas da Ecovila Piracanga

As casas na Ecovila tem um estilo próprio, todas foram projetadas para estarem “abertas” e em contato com a natureza, com muita claridade, áreas externas e cozinha abertas para o quintal, varandas grandes. As portas de entrada do dormitório são de vidro, o que facilita a entrada da luz e a integração com os demais ambientes. A construção utiliza muita madeira e materiais biodegradáveis , enfim, as casas são muito convidativas para uma excelente interação humana e contato com a natureza, literalmente, já que é comum convivermos com aranhas, insetos e outros pequenos animais andando pela casa!

Sem TV, com internet!

Quer ver sua novela ou programa favorito na TV? Esqueça, por lá não há TVs nas casas ou em áreas comuns. Na maioria das casas também não há geladeira, apenas no restaurante e na lanchonete, então todas as refeições feita em casa devem ser feita com cuidado para não exagerarem na quantidade e não desperdiçarem! Apesar disso tudo, a comunidade é conectada pela internet, mas apenas na hospedaria, coworking da comunidade e nas casas que desejarem contratar os serviços de rede. Apenas não pense que a internet alcançará ultra velocidades, se contente com seus 2M.

Escritório montado em uma das casas da Ecovila, no meio da Mata Atlântica - a melhor integração entre o homem e a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

Escritório montado em uma das casas da Ecovila, no meio da Mata Atlântica – a melhor integração entre o homem e a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

Pega celular em Piracanga?

Ah, e sinal de celular? Apenas uma operadora consegue enviar sinal para a região. Talvez por isso tudo, pude perceber que a interação humana por lá é muito maior do que de costume – as pessoas conversam mais, convivem mais, se falam olhando nos olhos, durante as refeições no restaurante não há distrações com celulares, as crianças brincam das velhas e boas brincadeiras como pega-pega, esconde-esconde, cantos e rodas. Não vi nenhuma criança pedindo o celular ou querendo jogar vídeo game. Coisa rara hoje em dia, não? Dormir bem cedo e acordar bem cedo é uma rotina natural por lá, seu corpo se acostuma a acordar cedo e quando você olha de manhã para o relógio, ainda são 5h!

Piracanga sustentável!

Aí vem uma pergunta natural, como não é um local tão barato para morar, como as pessoas locais conseguem se sustentar na comunidade?

Alguns simplesmente moram por lá por sustentos próprios e possuem outras fontes de renda, outros são moradores que pertencem à comunidade Inkiri e outros estão por lá há um tempo, mas trabalham em projetos da comunidade que precisem de mão de obra, tais como no restaurante, lanchonete, cozinhas, lojas, permacultura, terapias, recepção, transportes, cursos, financeiro, administrativo, marketing, fotografia e novos projetos em desenvolvimento. Obviamente, este trabalho é remunerado mensalmente – é como se fosse uma empresa, onde há a administração central que cuida de cada frente do projeto e das estratégias e há a necessidade de contratar pessoas para ocupar cada uma das atividades especificas que este núcleo precise.

O sol anuncia o fim de tarde em Piracanga. (Foto: Eduardo Alexis.)

O sol anuncia o fim de tarde em Piracanga. (Foto: Eduardo Alexis.)

Estrutura da Comunidade Inkiri

Ao invés de pensarmos numa hierarquia, lá a visão é mais ligada à natureza como se fosse uma árvore, onde há a pessoa que é a “raiz” do projeto ou núcleo que é responsável pela estratégia e por desenvolver o projeto. Aí vem o “tronco”, o “galho” e as “folhas”, cada qual com suas atividades específicas de acordo com sua posição. Uma maneira interessante e mais lúdica de balizar essa relação com o mundo corporativo.

Ah, por lá também se criou uma moeda local, a INKIRI, e você poderá utilizar normalmente para pagar por suas compras ou serviços, R$1,00 é 1 Inkiri. Uma pequena parte dos salários das pessoas que trabalham na Comunidade é paga com Inkiris e a outra parte com reais.

É muito interessante observar que por lá se trabalha como em uma grande empresa, há reuniões, discussões, alinhamento, cobranças, planejamento, execução e, por que não, o stress do trabalho?

Reuniões marcadas às 20h ou logo pela manhã, conversas e decisões rápidas por whatsapp a qualquer momento, enfim, um mundo moderno em meio à natureza. As pessoas trabalham bastante por lá, cada um em seus núcleos, e dedicam todos os esforços para cumprir e atingir os objetivos, mas sabe qual é a grande diferença que percebi? Liberdade!

A escola de Piracanga - uma filosofia própria de ensino. (Foto: Eduardo Alexis.)

A escola de Piracanga – uma filosofia própria de ensino. (Foto: Eduardo Alexis.)

Poder ir surfar, caminhar na praia, dar um mergulho no rio ou simplesmente relaxar a qualquer momento de seu dia, entre uma atividade e outra, entre uma reunião e outra, antes o depois do trabalho. Marcar um jantar para bater papo com os amigos, ir almoçar em casa e depois relaxar na rede, estar em contato com a natureza, ver o pôr do sol, dormir no meio do dia, fazer o que quiser fazer e saber que se pode fazer tudo isso em poucos minutos, já que a distância é curta, é simplesmente sensacional.

Que tal ir trabalhar de bermuda, camiseta e chinelo ou até descalço? Que tal fazer reunião no deck com vista para o rio e mar? Que tal fazer reunião em casa? Lá você consegue. Deixe sua melhor roupa guardada no armário para sempre, lá você não precisará aquela roupa de marca, não é necessário!

Eduardo na Comunidade Inkiri - resolveu acordar cedo e experimentar um novo modo de vida. (Foto: Eduardo Alexis.)

Eduardo na Comunidade Inkiri – resolveu acordar cedo e experimentar um novo modo de vida. (Foto: Eduardo Alexis.)

Os preços da Comunidade Inkiri

Em novembro de 2016 os preços eram os seguintes:

  • Hospedagem na hospedaria da Ecovila – varia de R$110,00 (quarto coletivo) a R$230,00 (quarto individual), incluso café, almoço e jantar;
  • Aluguel de um quarto em alguma casa (não é fácil encontrar) – varia entre R$ 60,00 a R$ 100,00 a diária;
  • Alimentação no restaurante – R$ 35,00 o quilo. Toda a alimentação na balança;
  • Na lanchonete – Um açaí médio sai por R$ 6,00 e o grande por R$ 8,00. Salgados e bolos a R$ 5,00 e sucos a R$ 3,00, dentre outros itens;
  • Cursos, workshop, palestras e seminários – variam conforme tema e duração. Há desde R$ 150,00 até R$ 3.000,00 (incluindo hospedagem e alimentação);
  • A universidade e os cursos de longa duração (2 meses ou mais) – consulte valores, pois variam muito (com hospedagem e alimentação);
  • Massagens e terapias – a partir de R$ 180,00.

Brasileiro, administrador e marketeiro, amante de viagem, já conheceu mais de 28 países. Radicado em São Paulo, Eduardo aceita viagem de todo tipo, prezando sempre pela oportunidade custo x benefício, mas sabe que tem coisas na vida que não têm preço e, para elas, vale a pena investir na experiência. Pra conhecer um pouco mais do Eduardo é só segui-lo no Instagram @dudualexis

Para ler mais sobre a Bahia, clique aqui.

E quanto a você, leitor viajante, não deixe de compartilhar suas dicas e histórias de viagens pelo mundo! Escreva para o Bilhete Premiado e deixe a sua marca!

A cena comum de integração entre o rio e o mar soa como um presságio em Piracanga, onde busca-se a integração entre o homem e a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

A cena comum de integração entre o rio e o mar soa como um presságio em Piracanga, onde busca-se a integração entre o homem e a natureza. (Foto: Eduardo Alexis.)

3 Responses

  1. Eloisa
    Eloisa 20/08/2017 at 10:54 pm |

    Olá Eduardo! Bem legal seu post. Em setembro irei passar alguns dias na comunidade, ainda não conheço. Como estarei em Itacaré, gostaria de fazer um treeking do Pontal até Piracanga. Sabe me informar se é possível e qual a distância em km pelas praias?
    A segunda questão é…é servido café na comunidade?… Rsrs. Namaste. Eloisa.

  2. Eduardo Alexis
    Eduardo Alexis 30/08/2017 at 11:50 am |

    Olá Eloisa, tudo bem? Deixa ver se consigo te ajudar…. Geralmente, muitas pessoas fazem isso que vc quer… vão andando pela praia desde Itacare até chegar em Piracanga, isso deve levar em torno de 1:30h a 2h de caminhada.. mas vc precisa se atentar na maré, vc precisa ir nos horários da maré baixa para conseguir andar tranquilamente pela praia.. só não fiz isso pq estava com mala! Rs mas eh um excelente passeio sim!

    Com relação às refeições, eles servem no restaurante principal café da manhã, almoço e janta.. tudo por kilo! Comida eh mto boa! Além disso tem outras lanchonetes que servem lanches entre as refeições. Com certeza sempre terá algo para comer! Rs

    Espero ter ajudado!

    Abs

  3. Camilla
    Camilla 31/08/2017 at 2:31 pm |

    Boa tarde Eduardo, com grande interesse em participar de um curso na comunidade Inkiri Piracanga, aprofundei minhas pesquisas e parei pelo seu blog, rico em informações e cheios de detalhes! Sobre os produtos 100% biodegradáveis que tem que ser usados, será que posso levá-los comigo ou você se lembra do custo desses produtos na comunidade? Espero que me ajude com essa dúvida, estou ansiosa para essa viagem!

Comments are closed.

Show Buttons
Hide Buttons
%d bloggers like this: